Home » Notícias » Bahia » Mulher morre um mês depois de ser picada por aranha marrom
- Atualizado em 12/03/16 às 15h38

Mulher morre um mês depois de ser picada por aranha marrom

Família reclama de atendimento de hospitais de Salvador

Aranha marrom picou e matou Edneusa (Foto: Reprodução)

Aranha marrom picou e matou Edneusa (Foto: Reprodução)

Redação VN 
redacao@varelanoticias.com.br 

Uma comerciante de 44 anos, identificada como Edineusa Bispo dos Santos, de 44 anos, morreu nesta sexta-feira (11). De acordo com as informações da família, a morte de Edineusa ocorreu um mês após o ferimento. A vítima estava internada no Hospital de Simões filho, cidade da região metropolitana de Salvador, desde o dia 17 de fevereiro.

O enterro da comerciante foi realizado também nesta sexta-feira (11), no cemitério do mesmo município onde está localizada a unidade de saúde. A família de  comerciante diz que desde que ela foi picada, no dia 10 de fevereiro, a busca por atendimento virou uma peregrinação. Primeiro, ela tentou atendimento em um posto de Arembepe, no Litoral Norte da Bahia, no dia seguinte à picada. No mesmo dia, Edineusa esteve em uma clínica particular, na Liberdade, em Salvador, onde fez uma ultrassom e foi medicada.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE
Publicidade

No dia 12 de fevereiro, ela foi encaminhada para o Hospital Roberto Santos, também na capital baiana, onde está localizado o Centro Anti Veneno (Ciav), local especializado em ataques de animais peçonhentos. Sem conseguir o atendimento na unidade, Edneusa foi até PAM de Roma, ainda em Salvador, onde passou por uma raspagem no seio, para retirada do tecido necrosado. Só no dia 17 de fevereiro, a família conseguiu uma vaga no hospital de Simões Filho e no dia 7 de março ela entrou em coma.

A Secretaria de Saúde do Estado (Sesab) disse, por meio de nota, que lamenta a morte de Edneusa e que está apurando o motivo pelo qual ela não foi internada no Hospital Roberto Santos. Citou ainda que a comerciante foi levada para a unidade de saúde cinco dias depois da picada. Ao contrário do que disse a irmã, que alega ter tentado o internamento 24 horas depois da picada.

LEIA TAMBÉM:



COMENTÁRIOS
RELACIONADAS