Home » Política » MPF e MP-BA denunciam prefeito de Candiba por ‘furar fila’ de vacina
- Atualizado em 21/01/21 às 07h43

MPF e MP-BA denunciam prefeito de Candiba por ‘furar fila’ de vacina

Reginaldo Prato (PSD) tem 60 anos e não está no grupo prioritário para receber o imunizante

Foto: Reprodução Instagram

Redação VN
redacao@varelanoticias.com.br

O prefeito do município baiano de Candiba Reginaldo Prato (PSD) foi denunciado pelo Ministério Público Federal (MPF) e Ministério Público da Bahia (MP-BA) por ter “furado a fila” da vacinação na cidade.

Os órgãos pederiam a condenação do gestor por improbidade adminstrativa e a indisponibilidade de bens para pagamento de multa no valor de R$ 145 mil.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

O pessedista tem 60 anos, está fora do grupo prioritário e também não atua na linha de frente contra a Covid-19. O prefeito só deveria ser vacinado na segunda fase, que abrange a população de 60 a 75 anos, após todo o público alvo da primeira fase já ter sido vacinado. O município de 14.368 habitantes recebeu 100 doses vacina.

O MPF e MP/BA também requereram, em caráter de urgência, que a Justiça determine ao prefeito:

  • o impedimento de receber a segunda dose da CoronaVac até que chegue o momento de vacinação do grupo em que se enquadra;
  • o impedimento de fornecer a vacina a qualquer outra pessoa que não se enquadre nos critérios da fase 1, em especial parentes e servidores municipais, sob pena de multa de R$ 10 mil por vacinação de pessoa vinculada ao gestor que não se enquadre no plano de vacinação;
  • a imediata desvinculação de sua imagem de todos os atos da campanha de vacinação até sua finalização, indicando outro servidor municipal para representar a prefeitura;
  • a obrigação de realizar retratação pública, reconhecendo a ilegalidade de seu ato e destacando a importância de a população respeitar a ordem oficialmente estabelecida;
  • a apresentação, ao final de cada etapa da vacinação, do nome, qualificação e critério de cada pessoa vacinada; e
  • confirmação definitiva dos pedidos de urgência e a condenação ao pagamento de R$ 50 mil, a título de indenização pelos danos morais causados à coletividade.


COMENTÁRIOS
RELACIONADAS
-->

-->