Home » Notícias » Brasil » Ex-jogador do Botafogo admite ter atropelado casal e fugido sem prestar socorro
- Atualizado em 05/01/21 às 08h34

Ex-jogador do Botafogo admite ter atropelado casal e fugido sem prestar socorro

Lateral alega ter saído do local por medo de linchamento

Foto: Vitor Silva/Botafogo

Redação VN
redacao@varelanoticias.com.br

O ex-jogador do Botafogo, Márcio de Oliveira Almeida, conhecido como Marcinho, admitiu à polícia, nesta segunda-feira (4), ter atropelado um casal no último dia 30, no Recreio dos Bandeirantes, na zona oeste do Rio de Janeiro. A informação foi confirmada pela Polícia Civil.

De acordo com o depoimento obtido pelo jornal CNN, Marcinho estava na casa do primo, combinando uma confraternização para a virada do ano. O jogador recebeu uma ligação da esposa pedindo para que ele fosse ao mercado e comprar itens para a ceia.

Na 42ª Delegacia Policial, Marcinho afirmou que foi ao mercado, comprou os materiais necessários e entregou ao cozinheiro responsável pela ceia. Na volta para a casa do primo, ele passou por uma avenida, onde havia grande aglomeração, e que um casal saiu repentinamento de um estacionamento em direção à pista. Segundo Marcinho, ele tentou frear e até conseguiu desviar “um pouco” da mulher, mas atingiu o homem.

Foto: Reprodução/CNN

Por conta do impacto do atropelamento, estilhaços de vidro voaram no rosto de Marcinho, que contou ter parado o carro porque estava com fragmentos no olho. Percebendo uma aglomeração se formando no entorno do acidente, o jogador deixou o local, sem prestar socorro, por medo de linchamento.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

O lateral alegou que estava sóbrio e que procurou o primo e o pai após o acidente, já que não tinha condições psicológicas para ir à polícia. Desde então, Marcinho e a família vêm recebendo ameaças de morte.

Outras testemunhas serão ouvidas e imagens das câmeras de segurança da região serão analisadas para confirmar a veracidade do que foi contado pelo jogador. O veículo utilizado por Marcinho, que estava no nome da empresa do pai, foi abandonado a 600 metros do local do acidente e já foi periciado.

O professor Alexandre Silva de Lima morreu na hora do acidente. Já a mulher dele, Maria Cristina José Soares, sobreviveu, mas fraturou a bacia e as duas pernas. Ela precisou passar por cirurgia e estava internada no Hospital Municipal Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca. Atualmente, ela está internada na rede privada.



COMENTÁRIOS
RELACIONADAS
-->

-->