Home » Notícias » Brasil » Carrefour: Seis envolvidos na morte de João Alberto viram réus
- Atualizado em 19/12/20 às 08h35

Carrefour: Seis envolvidos na morte de João Alberto viram réus

Fiscal da loja que observou o crime ficará em prisão domiciliar



Redação VN
redacao@varelanoticias.com.br
Após quase um mês desde que João Alberto Silveira, negro espancado em frente a uma unidade do supermercado Carrefour, morreu, seis pessoas envolvidas no crime viraram réus na sexta-feira (18), por decisão do Tribunal de Justiça. 

O pedido de prisão dos funcionários da loja, Rafael Rezende e Kleiton Silva Santos, e de Paulo Francisco da Silva, que trabalhava na empresa de segurança terceirizada Vector, foi negado. Eles respondem por homicídio triplamente qualificado, por motivo torpe, asfixia e recurso que impossibilitou a defesa da vítima.

Segundo a juíza da 2ª Vara do Júri de Porto Alegre, Cristiane Busatto Zardo, os três tiveram uma participação de menor importância no homicídio, além de não possuírem antecedentes criminais, e terem emprego e residência fixas. “Não representam risco à instrução criminal e nem demonstram risco de se evadirem ao processo, ao menos, não até agora”, disse a magistrada. O Ministério Público e a Polícia Civil tinham pedido prisão preventiva para os acusados.

Já Adriana Alves Dutra, fiscal da loja que acompanhou os seguranças enquanto eles agrediam João ficará em prisão domiciliar por questões de saúde. A juíza avaliou que ela teve uma participação direta na morte, já que as imagens mostram que ela testemunha todo o caso e chama os demais denunciados pelo rádio. Para a juíza, Adriana poderia ter parado as agressões, mas não o fez.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Os dois seguranças, Giovane Gaspar da Silva e Magno Braz Borges, permanecem presos. “Os indícios suficientes de autoria estão presentes, para os seis denunciados, nas filmagens, declarações de testemunhas, e até, pelas declarações de alguns dos denunciados colhidas na fase inquisitorial. As qualificadoras não podem ser afastadas nesta fase”, afirmou a juíza.

Neste sábado (19), o crime faz um mês. João Alberto foi morto aos 40 anos, na véspera do Dia da Consciência Negra.



COMENTÁRIOS
RELACIONADAS
-->

-->