Home » Entretenimento » Buscando inspirar jovens negros e periféricos, rapper baiano Yan Cloud lança ‘Bafana’
- Atualizado em 24/09/20 às 14h21

Buscando inspirar jovens negros e periféricos, rapper baiano Yan Cloud lança ‘Bafana’

Ao Varela Notícias, o artista falou sobre inspirações e adiantou algumas coisas sobre o novo álbum, ‘PINKBOY’

(Foto: Mariana Ayumi / Divulgação)

Edvaldo Sales
redacao@varelanoticias.com.br

O cantor e compositor soteropolitano Yan Cloud, que iniciou a carreira em 2015 e vem ganhando cada vez mais visibilidade no cenário da música baiana, lançou, na última sexta-feira (18), o seu novo single, ‘Bafana’, acompanhado de um clipe. Produzida por Faustino Beats e mixada e masterizada por Isaac Neves, a música chega como um “grito de guerra” e “estende o tapete vermelho” para o próximo álbum do rapper, intitulado ‘PINKBOY’.

Em entrevista exclusiva para o Varela Notícias, Yan, dono dos hits ‘Lança a Braba’ e ‘My Dream’, disse que ‘Bafana’ é uma reflexão sobre o que é ser um jovem, negro e periférico. “Aborda algumas coisas a mais, mas traz isso como foco principal. Sobre a juventude e sobre como podemos inspirar pessoas”.

Para representar essa fala sobre a juventude, o dono do ‘Cabelo Quadrado Mais F*** da City’ utilizou uma palavra que vem da língua zulu, que é uma das oficiais da África do Sul, para intitular o seu single. “A tradução de ‘Bafana’ seria algo como moleque, garoto ou jovem. Além disso, este é o apelido dado à seleção Sul-Africana de futebol, que são os Bafana-Bafana”.

Inspirações

Para escrever a canção, ele teve como inspiração, além do trecho destacado na introdução da música que pertence ao filme ‘Invictus’ – que retrata a jornada da Seleção Sul-Africana na conquista da Copa do Mundo de Rugby de 1995 –, a reflexão de como é possível inspirar pessoas ao seu redor, desde a autoestima até a mudança de suas próprias expectativas, principalmente nas periferias, onde a carência de representatividade e incentivo ainda é grande.

Além disso, o artista traz os seus amigos como grandes inspirações que ajudaram ele a compor a música – não só essa, mas também o que está para vim depois dela e que ‘Bafana’ faz parte. “Meus amigos me inspiraram muito. É o que eu falo sobre as pessoas que me cercam, sobre como você reflete o que recebe”.

“Todos os dias eu recebo inspiração dos meus amigos, que fazem parte da Bonke Music, que são artistas pretos, de vários estilos de arte, como audiovisual, música, produção e fotografia. Eles que são totalmente a inspiração e o motivo real de eu conseguir fazer esse trampo acontecer”, enfatizou.

Capa do single ‘Bafana’ (Foto: Mariana Ayumi / Divulgação)

Ao VN, o rapper destaca ainda que as pessoas, as quais estão ao redor dele, são muito importantes em sua vida, tanto musicalmente falando quanto na construção da pessoa que ele é.

“Eu sou cercado de pessoas maravilhosas que têm trabalhos maravilhosos. Artistas pretos independentes como Faustino Beats, Bruno Zambelli, Isaac Neves, Lucas Raion, Ramires AX, entre outros. São pessoas que estiveram envolvidas nesse processo de ‘Bafana’ e que me inspiraram muito”.

Trazendo questionamentos

Com este mais novo lançamento, Yan tem como objetivo trazer questionamentos. “Eu vejo ‘Bafana’ como um grito de guerra. Eu tento passar uma visão, meio que abrir o olho. Trazer o questionamento de como nós, como jovens pretos, podemos inspirar mais pessoas e de como podemos mudar a forma que a gente se ver”.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

“Por que sempre foi imposto para nós o lugar que devemos ocupar na sociedade, no mundo como um todo. E nós temos sonhos, nós temos perspectivas e vontades. Então, essa onda da inspiração e da representatividade faz com que a gente possa pensar que é possível”, afirmou.

“‘Bafana’ é para trazer isso. Não queremos só o básico. A gente pode ocupar lugares. E quem tem que dizer o lugar que a gente vai ocupar ou até aonde a gente pode ir não é a sociedade”, completou.

O Clipe

(Foto: Mariana Ayumi / Divulgação)

No clipe de ‘Bafana’, que já ultrapassou a marca de 12 mil visualizações no YouTube, são ressaltados objetos futuristas com o resgate da ancestralidade negra, dentro do universo do ‘PINKBOY’, através de metáforas visuais e elementos monocromáticos. Para o artista, o figurino rosa e afro demarca o pertencimento ao universo de Yan Cloud.

O projeto foi roteirizado e dirigido por Mariana Ayumi e Bruno Zambelli, teve direção de fotografia de Lucas Raion e assistência de Ramires AX, montagem e finalização de Paulo Alberto, produção de Nei Mhc e assistência de Faustino Beats, figurino e beleza por Joana, Julia Altahyde e Babi Soares. O elenco foi composto por Yan, Brisa Òkun e Ícaro Sanches.

Yan fala sobre o seu novo álbum, ‘PINKBOY’

Com lançamento previsto para outubro, ‘PINKBOY’, o segundo EP do artista – o primeiro foi ‘Alívio’, de 2017, que ficou em oitavo lugar entre os melhores álbuns baianos no site Elcabong –, conta com 7 faixas, incluindo ‘Bafana’.

Nas músicas, Yan Cloud discute questões sociais e raciais, trazendo em seus versos a potencialização da autoestima negra e valorização do relacionamento afrocêntrico.

O artista disse que ‘Bafana’ “estende o tapete vermelho” para o novo álbum e adiantou que o trabalho está muito maduro. “A evolução é nítida. Está muito maduro musicalmente. Eu tentei ser muito versátil, quem for ouvir pode ter certeza que vai encontrar coisas muito versáteis, várias vertentes”.

“Recentemente, eu lancei sons que são muito mais pista e dançantes, só que para esse álbum eu tentei trazer, além disso, outras vertentes musicais. Tem influência de MPB, Bossa Nova, Ragga, Reggae e, obviamente, Rap e Trap também. É isso, não posso falar muito, mas já posso adiantar essas coisas. Vai ser um álbum muito maduro e versátil”, contou Yan muito feliz. 

Assista ao clipe de ‘Bafana’ abaixo:

Tópicos: , ,
Link:


COMENTÁRIOS
RELACIONADAS