Home » Esporte » Após autorização para jogar no Operário, goleiro Bruno é negado por torcedores
- Atualizado em 22/01/20 às 12h24

Após autorização para jogar no Operário, goleiro Bruno é negado por torcedores

Goleiro já foi recusado anteriormente por torcedores do Fluminense de Feira

Foto: Reprodução / Twitter

Redação VN
redacao@varelanoticias.com.br

Após receber liberação da Justiça para poder trabalhar no Operário, um grupo de pessoas realizou um protesto contra a possível contratação do goleiro Bruno pelo clube. O protesto ocorreu durante a realização do jogo do Operário contra o Poconé, pelo Campeonato Mato-Grossense. A partida foi realizada em frente ao Estádio Municipal Dito Souza, em Várzea Grande, região metropolitana de Cuiabá. O goleiro, de 35 anos, foi condenado a mais de 20 anos de prisão pelo homicídio de Eliza Samudio.

Os manifestantes, que tocavam tambores, acompanhados de um carro de som, gritavam “quem contrata um feminicida, apóia o feminicídio”. Segundo Glaucia Amaral, procuradora do estado e presidente do Conselho Estadual da Mulher, o ato não era contra a ressocialização de Bruno, mas contra o seu retorno com ‘status’ de ídolo, e ainda declara que outras intervenções serão feitas.

O vice-presidente da torcida organizada do Operário disse que não iria se declarar sobre o assunto, mas que apoiaria o clube independente de quem vista a camisa.

Além de parte dos torcedores, dois patrocinadores, Sicredi e Eletromóveis Martinello, também não apoiaram a possível contratação e não permitiram que suas marcas fossem utilizadas nos uniformes do clube.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Em nota, a Martinello declara que não é seu papel ou direito intervir em decisões do clube, mas não permitirá que o Operário utilize uniformes com a marca enquanto o clube mantiver a decisão de contratar o goleiro.

O Núcleo Feminino da Força Jovem Operário também mostrou insatisfação e emitiu uma nota dizendo que “aceitar a contratação dele de forma tranqüila é naturalizar e ser conivente com as opressões que lutamos. No Brasil, uma mulher é morta a cada duas horas vítima de violência.”

O Conselho Estadual de Direitos da Mulher de Mato Grosso também se manifestou em nota anteriormente, repudiando a contratação do ex-Flamengo. Bruno recebeu uma proposta do Fluminense de Feira, que desistiu da contratação após insatisfação de torcedores. Logo após, o goleiro recebeu uma oportunidade do Operário.



COMENTÁRIOS
RELACIONADAS
-->

-->